A ortografia do Hunsriqueano Riograndense segundo Boll, segunda parte – Die Ortografie fom Riograndenser Hunsrickisch noh Boll, zwetter Deel

A ortografia das oclusivas – Die Ortografie fon de Plosive

No início das palavras, quando seguidas diretamente por vogais, as consoantes oclusivas do hunsriqueano riograndense compreendem duas séries:
1. Não-aspiradas: /p, t, k/
2. Aspiradas: /pʰ, tʰ, kʰ/
As formas não-aspiradas são representadas por B, D, G e as formas aspiradas por P, T, K.
Exemplos: backe /ˈpakə/ × packe /ˈpʰakə/; danke /ˈtaŋkə/ × Tanke /ˈtʰaŋkə/; Gaarte /ˈkɔːtə/ × Kaarte /ˈkʰɔːtə/

Em outras posições, como no início de palavras após outra consoante, esta diferença é neutralizada. Assim, grien e krien ambas são pronunciadas /kɾiːn/. Gud, rod, hart, Schot, Hut… todas terminam com a consoante /t/. Por que usar duas ortografias então e não padronizar tudo com P, T e K?
Para entender isso, é preciso levar em conta alguns aspectos fonológicos do idioma.

O processo de lenição de B e D – De Lënizionprocess* fon B un D

Como dito acima, não há distinção entre oclusivas fortes (aspiradas) e fracas (não-aspiradas) ao final de uma palavra. Todavia é possível notar que nem todos os /-t/ e /-p/ ao final das palavras se comportam da mesma maneira quando levamos em conta aspectos de conjugação e declinação. Comparemos, por exemplo, as palavras Strud /ʃtɾuːt/ (égua) e Rut /ruːt/ (vara). Ambas terminam com o mesmo fonema /t/. A princípio poderíamos, então, escrever Strud como Stut.
Mas compare os plurais destas palavras:
Strure /ʃtɾuːɾə/ (éguas) e Rute /ˈruːtə/ (varas)
Na palavra Strud, o /-t/ final foi “enfraquecido” para um /-ɾ-/ quando entre duas vogais, enquanto o mesmo não aconteceu com a palavra Rut.
O mesmo processo ocorre com /-p/ final, como nas palavras Bub /puːp/ (menino) e Bopp /pop/ (boneca), cujos plurais são Buve /ˈpuːvə/ e Boppe /ˈpopə/. Como pode-se notar, no caso de Bub, o /-p/ final foi “enfraquecido” para um /-v-/ quando entre duas vogais.

A escrita diferenciada de /-t/ e /-p/ no final das palavras, portanto, permite predizer o comportamento deste fonema em formas declinadas e conjugadas. Se a palavra termina em D ou B, estes sons sofrem lenição (enfraquecimento) para R e V quando passam a ficar entre vogais. Já caso a palavra termine em T ou P, o mesmo não acontece.

A pronúncia de S antes de P e T – Die Aussproch fon S forrich P un T

No alemão padrão, a letra S, antes das letras P e T, no início de uma palavra, é pronunciada /ʃ/, da mesma maneira que o trígrafo SCH: Straße /ˈʃtraːsə/, spät /ʃpeːt/, etc. O mesmo ocorre no hunsriqueano riograndense: Stros /ʃtɾoːs/, sped /ʃpeːt/.
A diferença é que no hunsriqueano riograndense esta pronúncia ocorre também nas sequências ST e SP no interior e final das palavras. Portanto, palavras em alemão padrão como bist /bɪst/, fest /fɛst/, Wespe /ˈvespə/ são em hunsriqueano riograndense bist /piʃt/, fest /feʃt/, Wesp /veʃp/.

A terminação da terceira pessoa do singular dos verbos – Die Ennung fom dritte Person Singular fon de Verrbe

No alemão padrão, a terminação que marca a conjugação da terceira pessoa do singular (e da segunda pessoa do plural) no presente é -t: er geht (ele vai), sie macht (ela faz), ihr lest (vocês leem). No hunsriqueano riograndense a pronúncia é a mesma, mas quando sujeito e verbo são invertidos, o mesmo processo de lenição ocorre:
Alemão padrão: geht er? (ele vai?)
Hunsriqueano riograndense: gehr-er? (ele vai?)
Além disso, a letra S nunca é pronunciada /ʃ/ antes dessa terminação. (Vocês) leem é pronunciado /leːst/ e não /leːʃt/.
Baseado nestes dois aspectos, fica evidente que para o hunsriqueano riograndense a consoante final desta conjugação é na verdade um D e não um T. Assim, a ortografia é gehd, machd, lesd.
A terminação da segunda pessoa do singular, que é -st em alemão padrão, permanece -st em hunsriqueano riograndense, visto que neste caso o S sempre é pronunciado /ʃ/. Como exemplo, veja a conjugação em hunsriqueano riograndense do verbo lesen (ler).
ich lese /iç ˈleːsə/
du lest /tu leːʃt/
äer lesd /ˈɛːa leːst/
meer lese /ˈmeːa ˈleːsə/
deer lesd /ˈteːa leːst/
sie lese /siː ˈleːsə/

Explicação etimológica para o uso de D, B, G ou T, P, K – Ëtimologische Auslehung iwer die Benutzung fon B, D, G ore T, P, K

Em outras situações, especialmente no início das palavras, quando seguidos por outra consoante, o uso de D, B e G ou T, P e K tentam refletir a etimologia destes termos. Portanto grien (verde) e krien (ganhar, conseguir), apesar de pronunciados igualmente, possuem diferentes ortografias por sua origem. Compare as versões em alemão padrão grün e kriegen.
Muitos termos que em alemão padrão iniciam em TR, como trinken (beber) e träumen (sonhar) são escritos com DR em hunsriqueano riograndense: drinke, dreime. Isso reflete a segunda fase da mutação consonantal do alto alemão, já que a transformação de D em T não ocorreu em hunsriqueano riograndense em posição inicial.

A ausência de G em posição não-inicial – Das Fehle fon nett-aanfänglichem G

Novamente considerando a mutação consonantal do alto alemão, já sabemos que o fonema ancestral /ɣ/ foi convertido inteiramente em /g/ no alemão padrão. No hunsriqueano riograndense isso aconteceu apenas no início das palavras. Em outras situações ele se manteve /ɣ/ e posteriormente desapareceu por completo (compare alemão tragen, sagen, fragen, regnen e hunsriqueano draan, saan, frohe, rehne) ou ensurdeceu, tornando-se /x/ ou /ç/ e portanto indistinto da consoante representada em alemão por CH (compare alemão weg, Tag, Vogel, Spiegel e hunsriqueano wech, Daagh, Foghel, Spieghel). Assim, todos os casos de palavras terminadas com a consoante /-k/ refletem um /k/ ancestral e jamais sofrem lenição. Portanto G jamais ocorre após uma vogal (exceto no dígrafo GH).

– – –

*Lënizionprocess, de Lënizion (adaptação de Lenição) + Process (processo)

Advertisements

3 Comments

Filed under Fonologia, Ortografia

3 responses to “A ortografia do Hunsriqueano Riograndense segundo Boll, segunda parte – Die Ortografie fom Riograndenser Hunsrickisch noh Boll, zwetter Deel

  1. Pingback: A ortografia do Hunsriqueano Riograndense segundo Boll, quinta parte – Die Ortografie fom Riograndenser Hunsrickisch noh Boll, finnefter Deel | Riograndenser Hunsrickisch

  2. Pingback: O processo de lenição secundária – De Nevelënizionprocess | Riograndenser Hunsrickisch

  3. Pingback: O Dativo – De Dativ | Riograndenser Hunsrickisch

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s